Resultado Quinzenal: Versa +21,0%, CDI +0,3%, Ibov +4,4% (Jan-18)

39
1882

Resumo da Quinzena

Os últimos 6 meses foram uma constante disputa entre as boas notícias da economia e os ruídos da política. Com o recesso parlamentar em dezembro o fluxo de má notícias cessou e a bolsa retomou a alta, valorizando 4,4% na primeira de janeiro. Neste breve início de ano o fluxo de estrangeiros foi R$ 4 bi, 1/3 do que investiram em 2017, e inundou a bolsa. O forte desempenho do mercado brasileiro é visto também em outros países emergentes. O JPMorgan comparou a alta de +12,7% do MSCI Brazil desde o dia que o julgamento do Lula no TRF-4 foi agendado com a dos outros países emergentes e encontrou que apenas 2.1% pode ser atribuído aos fatores específicos do Brasil já que o MSCI emergentes ex-Brasil subiu 7.7% e o real se apreciou 2.9%. Parte desta alta é explicada pela valorização das commodities, que têm grande peso no índice e ajudam na balança comercial e na recuperação das economias do Brasil e dos emergentes. A alta das commodities, por sua vez, é resultado do crescimento global mais robusto que o esperado em 2017 que deve continuar em 2018. O Banco Mundial prevê que a economia global crescerá 3.1% ano que vem após crescer 3% este ano, e será a primeira vez, desde a crise de 2008, que o mundo estará operando a plena capacidade. De acordo com o FMI, atualmente 75% dos países estão registrando aumento da atividade. Para completar, os baixos preços das commodities dos últimos 3 anos desincentivaram os produtores de matérias primas a investir em expansões, favorecendo futuros aumentos de preços.

29-dez-17 15-jan-18 Variação
Versa 5,026 6,080 21,0%
CDI aa 6,9% 6,9% 0,3%
Ibovespa 76.402 79.752 4,4%

 

O julgamento do Lula na próxima quarta feira pode afetar o humor do mercado. Se for condenado pelos 3 juízes do tribunal, mesmo que discordem da pena, Lula tornar-se-a inelegível pela Lei da Ficha Limpa quando a sua candidatura for impugnada pelo TSE. Se um dos juízes do TRF-4 inocentá-lo, a defesa entrará com embargos infringentes e o processo irá a novo julgamento com outro relator e a outra turma do TRF-4 especializada em direito penal. O julgamento deste recurso costuma levar de 3 a 7 meses, portanto deve terminar antes das eleições. Se Lula for absolvido o Ministério Público recorrerá ao Superior Tribunal de Justiça e o julgamento deve ser posterior às eleições, portanto Lula seria candidato. Acreditamos que em qualquer cenário Lula sairá derrotado, mas se vencer no tribunal sua penúria durará até as eleições, quando sua candidatura fará a oposição se unir para atacá-lo com artilharia pesada. Com amplo material acusatório e menor tempo de propaganda eleitoral, é ínfima a chance do Lula vencer estas eleições. Por isso vemos uma eventual queda acentuada no preço dos ativos em função do julgamento no TRF-4 como uma oportunidade de voltar às compras.

Livro Posição Líquida Lucro (Prejuízo)
Long 189% 17,1%
Short -129% -2,6%
Opções 141% 10,8%
CDI 74% 0,2%
Taxas -4,5%
Resultado   21,0%

 

O resultado da primeira quinzena de janeiro demonstrou o potencial da estratégia do Versa. Com ganhos expressivos na seleção de ativos (long & short) e na maior alocação comprada (direcional), o fundo subiu +21% enquanto a bolsa subiu +4,4%. O maior destaque foi novamente Locamérica que subiu +28,6% gerando lucro de +11,1% para o fundo. O mercado recebeu com euforia a aquisição da Unidas e a valorização das ações reflete a expectativa das sinergias a serem capturadas na fusão. Como a escala é o principal diferencial competitivo neste setor, aplaudimos a iniciativa da Locamérica em adquirir uma empresa tão grande quanto ela e o baixo valor pago de 1,2x o patrimônio da Unidas. Por outro lado, vemos com preocupação os desafios que terão pela frente. Diferente da Ricci que possuía menor escala na compra de carros e captava recursos a taxas elevadas, a Unidas possui descontos na compra dos veículos e taxas de captação de recursos similares à Locamérica. Apesar da empresa combinada ter o dobro do tamanho das originais, o desconto das montadoras têm limites, por isso o ganho de escala na compra de carros é marginalmente decrescente. Ainda, metade da frota da Unidas pertence à operação rent-a-car, lojas de rua e aeroporto, que é diferente da operação de frotas, área de atuação da Locamérica. O rent-a-car exige que a companhia invista nos carros primeiro e corra o risco da demanda, enquanto na operação de frotas a companhia adquire os carros somente após fechar o contrato de locação. Por último a Unidas vinha apresentando resultados ruins, com retorno sobre o patrimônio inferior ao custo do capital. Apesar do desafio ser o maior já enfrentado pela Locamérica, a virada operacional que a empresa fez nos últimos anos e a competência nas aquisições e integrações da Ricci e da Panda de Itu nos levam a dar-lhes o benefício da dúvida. Se a integração for bem sucedida o potencial de valorização das ações é grande. Por isso, Locamérica continua sendo a maior posição da carteira.

O segundo maior ganho da quinzena foi em siderurgia, nas ações de Usiminas e Gerdau, que tiveram ganho de +6,8% para o fundo. As empresas tiveram forte valorização pela perspectiva de aumentos de preços no mercado interno em função da melhora na demanda e da resiliência dos preços de aço na China. O terceiro maior ganho foram as opções de índice Bovespa que renderam +3,1% ao fundo. As perdas da quinzena foram pequenas comparadas aos ganhos e ao tamanho da posição vendida à descoberto. Os dois maiores prejuízos foram -0,9% na Weg, que subiu +6,8%, e também -0,9% no recém-inaugurado short em IRB, que subiu +10,3%.

Ao longo da quinzena reduzimos em 1/4 a exposição direcional mas mantivemos a carteira com viés otimista. A volatilidade do mercado pode aumentar nos próximos meses mas a recuperação da economia continua ganhando tração e dificilmente sairá dos trilhos. Por isso continuamos comprados em empresas baratas e cíclicas e vendidos nos papéis caros e defensivos.

 

39 COMMENTS

  1. Mais um resultado impressionante. Parabéns à equipe!

    Gostaria de fazer uma pergunta, mas entendo se não puderem responder.

    LCAM3 obteve uma valorização de quase 60% da segunda quinzena de dezembro para a primeira de janeiro. A ação está bastante esticada pensando no curto prazo. Nesse caso, vocês vendem uma parte da posição ou mantém a posição intacta mesmo que uma correção seja provável em breve?

    Agradeço desde já.

    • Boa noite! Somos investidores de longo prazo, não tentamos acertar os movimentos de curto prazo. A Locamerica pagou barato na Unidas e gerou valor. Quando a correção chegar espero que as outras posições da carteira compensem as perdas com Lcam. Um abraço,

  2. Bom Dia Luiz Alves.
    Poderia informar se haverá mudanças na equipe?
    soube que o versa irá deixar a GTI em seguida, confesso que gostava de ver que as equipes eram compartilhadas já que o Dimona possui um histórico de anos.

    Os fundos guardavam boa correlação também não é?

    Como será em diante?

    Att

    • Bom dia Alexander! Quando o fundo tiver fechado não será permitido aplicações de nenhum cotista. Os resgates podem ser comandados normalmente. Um abraço

          • Vi uma reportagem do ano passado quando o fundo ainda não era tão conhecido que a gestora pretendia expandir sua divulgação e disponibilizá-lo em grandes corretoras. Mal completaram quatro meses que o fundo foi disponibilizado na Órama e vocês já estão pensando em fechar? Nesse cenário, qual seria objetivo de formar uma nova asset com o fundo carro-chefe fechado?

            Entendo que a captação está crescendo exponencialmente, mas a maioria das pessoas que estão entrando no fundo estão se iludindo achando que esses resultados fantásticos serão uma constante, não tem experiência com renda variável e não terão estômago pra quando vier uma correção mais forte do mercado.

            Minha estratégia para o Versa é de fazer pequenos aportes regularmente principalmente em correções como em Novembro e Dezembro. O fundo com iminência de fechamento nos “força” a fazer um aporte maior para aproveitar a janela de oportunidade, mas quando vier a maré baixa o pânico se instala e a corrida dos aventureiros de primeira viagem pedindo resgate vai acontecer.

            Acho que seria muito mais saudável para o fundo e investidores aumentar o tempo de resgate para D+30 ou até D+60 e permanecer com o fundo aberto.

            Espero que vocês também levem isso em consideração.

            Abraço!

          • Bom dia! Como você mesmo pontuou, as pessoas que investiram no Versa esperam que o fundo continue com as mesmas características apesar do aumento do patrimônio. Para manter essas características precisamos limitar o tamanho da estratégia. Por isso fecharemos o Versa e ofereceremos outro produto com a mesma estratégia (e as mesmas ações), porém com menor risco. Dessa forma daremos a oportunidade de mais pessoas investirem conosco. Um abraço,

          • Entendi Luiz.

            Que boa notícia que vocês pensam em abrir um novo fundo mantendo a mesma estratégia.

            Esse fundo já seria sob a gestão da nova asset?
            Vocês tem alguma previsão de quando vão disponibilizá-lo?

            Uma última dúvida, numa situação hipotética do Versa ser fechado e num futuro haver uma saída forte de cotistas. Nesse caso, o fundo poderia ser reaberto para novas captações ou uma vez fechado não haveria mais possibilidade de abertura?

            Agradeço pelo esclarecimento.

          • A equipe de gestão do Versa e desse novo fundo é a mesma. Não esperaremos a Versa Gestora ficar pronta para constituí-lo. Já começamos o processo mas não sabemos ainda quanto tempo levará para o fundo ficar pronto. No futuro se o Versa tiver muitos resgates, abriremos ele novamente sim. Um abraço,

  3. Prezado Luiz, bom dia. Com a formação da nova gestora, vc e os demais novos sócios não mais participarão da gestão do GTI? Como será a relação entre as duas gestoras? Abraço e obrigado

    • Prezado Fernando, bom dia. A gestão do Versa já era independente da gestão do Dimona. A relação entre todos é de companheirismo, e continuará assim após a cisão. Um abraço,

  4. Luiz. Ano passado quando o fundo estava com 59 mi você disse que fecharia quando chegasse em torno de 100 mi. Esse valor já foi superado. Tem previsão de fechamento nas próximas semanas?

    • Boa noite Rodrigo. Estamos constituindo um novo produto e fecharemos o Versa quando ele ficar pronto. Ainda não sabemos a data. Um abraço,

  5. Boa tarde Luiz, gostaria de saber se há como acompanhar em termo de porcentagem, ou mesmo apenas os ativos em que o fundo está posicionado, para que posso variar em outros fundos que não apliquem nos mesmo setores. pelo matérias quinzenais vi alguns, como locamerica, fibra etc, mas gostaria de saber a grande maioria. abrc!

    • Boa tarde Paulo,

      Seu investimento segue a tabela de tributação regressiva de Renda-Fixa. O percentual de IR retido (que deduz seu saldo bruto no site da Órama) considera o imposto que você pagaria caso resgatasse
      hoje.

      Qualquer dúvida, o senhor pode entrar em contato direto com a Órama pelo (021) 3797-8000.

      Obrigado

    • Bom dia Daniel. Apesar da alta no juros futuros americanos estar supostamente induzindo um sell-off, historicamente os aumentos na taxa em decorrência do aquecimento da economia fazem a bolsa subir. O crescimento global continua firme e as empresas americanas estão revisando as expectativas de lucro para cima em função do corte de impostos do Trump. Por isso não estamos preocupados com esse aumento nos juros, nem com o sell off. Um abraço

  6. Prezado Luiz, boa tarde. Por tratar-se de um fundo alavancado, o Versa pode ter perdas superiores ao valor patrimonial. Gostaria de saber, caso isso ocorra, se esses prejuízos são compartilhados pelos cotistas. Ou seja, os cotistas podem ficar em débito com o fundo? E, uma vez nessa situação, seriam eles obrigados a realizar um aporte imediato para recomposição das perdas? Obrigado pela atenção e disponibilidade, Fernando

    • Boa tarde Fernando. Sim, se a cota do fundo ficar negativa os cotistas são chamados a cobrir o prejuízo de acordo com o número de cotas de cada um. Um abraço,

      • Obrigado Luiz, pela presteza e transparência usuais. Apenas mais uma dúvida: o regulamento não estabelece limites para operações em valor superior ao PL. Sendo assim, pelo histórico do fundo, poderia fornecer uma média do nível de alavancagem nos últimos anos? Pretendem manter esse nível nos próximos anos? Desculpa pela insistência nesse ponto, mas é a primeira vez que opero com essa classe de fundos, e estou tentando me inteirar de todos os riscos. Abraço, Fernando

        • Nossa alavancagem long & short costuma ficar ao redor de 300%, nível que pretendemos manter. Nos relatórios quinzenais é possível acompanhá-la. Atualmente temos aprox 190% comprado e 115% vendido a descoberto (considerando ações, futuros e prêmio de opções). É um prazer responder às suas perguntas, fique a vontade para sanar todas as suas dúvidas. Um abraço,

Deixe uma resposta