Resultado Quinzenal: Versa +1,0%, CDI +0,3%, Ibov -1,2% (Abr-18)

68
2784

Resumo da Quinzena

A primeira quinzena de Abril revelou números decepcionantes da economia brasileira. Após um fraco janeiro, a produção industrial voltou a decepcionar em fevereiro, subindo apenas 0,2% m/m. A mesma fraqueza foi vista nas vendas do varejo, que caíram -0,2% m/m enquanto esperava-se um avanço de +0,7% m/m. O conjunto dos dados divulgados até hoje, corroborado pelo IBC-Br de Fevereiro de apenas +0,09%, mostram que a recuperação da economia perdeu fôlego neste início de ano. Por outro lado, a continuação da geração de empregos e os índices de confiança divulgados em março indicam que a recuperação deve continuar. A confiança da indústria já está na zona otimista desde fevereiro, e vários índices ainda estão em território pessimista (abaixo de 100) mas cada vez mais próximos da neutralidade. O setor de serviços foi o único a cair em março o que, segundo a FGV, foi uma acomodação.

Confiança FGV Mar Fev Jan
Indústria 101,7 100,4 99,4
Comércio 96,8 95,5 95,1
Consumidor 92,0 87,4 88,8
Construção 82,1 81,4 82,6
Serviços 91,4 93,1 91,8

 

No início de Abril a guerra comercial entre EUA e China teve uma trégua enquanto Trump voltou suas atenções para a Síria. O S&P teve ligeira valorização de +0,6% enquanto a bolsa brasileira caiu -1,2% e o Versa subiu +1,0%.

29-mar-18 13-abr-18 Variação
Versa 7,123 7,195 1,0%
CDI aa 6,6% 6,6% 0,3%
Ibovespa 85.366 84.334 -1,2%

 

Neste início de ano, a bolsa brasileira está em alta de +10,4%, desempenhado melhor que as principais bolsas desenvolvidas, como o S&P em queda de -0,6%, o DAX alemão -1,7%, o FTSE inglês -3,6%; e que as bolsas emergentes, como a Merval argentina em alta de +5,1%, a IPSA chilena +1,2% e o CSI 300 chinês, em queda de -3,9%. Na contra-mão da bolsa, o Real perdeu valor para as moedas dos outros países. Dentre os desenvolvidos, o Real se desvalorizou +3,3% para o Dólar, +6,3% para o Euro e +8,9% para a Libra. Dentre os exportadores de matérias primas, o Real perdeu +3,0% para o Dólar canadense, +5,8% para o Rand sul-africano e +6,7% para o Peso chileno.

Apesar da balança comercial brasileira estar atingindo novos recordes a cada mês, a moeda se desvalorizou. Os principais suspeitos são a redução nas taxas de juros, que diminui a atratividade do carry-trade, e a ausência de reformas de combate ao déficit fiscal. A reforma da previdência é essencial para dar confiança aos estrangeiros sobre a solvência do Estado e da dívida pública brasileira, além de ajudar a recuperar o grau de investimento. Para compensar o menor retorno do carry-trade, o risco precisa ser menor. Se o Brasil caminhar na boa direção da austeridade fiscal e da modernização da economia, a moeda voltará a ficar atrativa e a se valorizar.

Até hoje só expressamos o otimismo com Brasil usando os ativos da bolsa, e temos uma regra na qual usamos futuros de juros e câmbio apenas na direção contrária a bolsa, como proteção, pois futuros têm perda ilimitada. Podemos, entretanto, usar o limite de opções para investir nestes mercados na mesma direção da bolsa, como fizemos este mês com as opções de dólar. O maior risco do Versa será sempre o investimento em bolsa, mas a diversificação em outros mercados é saudável para a carteira. A posição em Dólar também tem a função de proteger a parte da carteira altamente exposta à moeda, composta pelas ações da Iochpe-Maxion, Mahle Metal-Leve, Gerdau, Usiminas e Petrobrás.

Livro Posição Líquida Lucro (Prejuízo)
Long 204% -2,8%
Short -142% 5,3%
Long&Short 33% 0,0%
Opç Bolsa 26% -0,3%
Opç Dólar -35% -1,2%
CDI 0,3%
Taxas -0,1%
Resultado   1,0%

 

O destaque deste início de mês foi a carteira vendida a descoberto (short), que caiu -3,7% e gerou ganho de +5,3% para o fundo, compensando a queda de -1,4% da carteira comprada (long) que causou prejuízo de -2,8%. Os destaques da carteira short foram Ultrapar que caiu -7,0% gerando ganho de +1,4% e RaiaDrogasil que caiu -6,8% resultando em lucro de também +1,4% para o fundo. Os destaques negativos ficaram por conta da construtora Even que caiu -13,6% repercurtindo os resultados fracos do 4o tri e causou perda de -0,9%, e da varejista Hering que caiu -4,3% causando prejuízo de -0,7%.

Na tabela das posições acima destacamos a arbitragem entre Fibria e Suzano na rúbrica Long & Short pois a posição tem baixo risco de mercado, diferenciando-se das outras posições. Separamos também as opções de bolsa das de dólar pois apesar de ambas serem posições compradas em opções, as de bolsa são opções de compra (calls) enquanto as de câmbio são opções de venda (puts).

68 COMMENTS

  1. Algumas coisas são de difícil compreensão nessa área de investimentos, por exemplo, como a carteira vendida a descoberto (short) com resultado -3,7% pode ensejar um resultado de +5,3% para o fundo?

    • Boa pergunta, Sandro! Isso é efeito da alavancagem, pois a carteira short é -142% do patrimônio. Basta multiplicar os 142% pelo 3,7%. Um abraço,

    • Ótima pergunta Thiago. No Versa temos a regra de nunca fazer operações de opções com perda ilimitada, como esta. Comprar uma ação e vender uma opção de compra (call) fora do dinheiro é equivalente a vender uma opção de venda (put) dentro do dinheiro. Se a ação subir, o ganho está limitado ao prêmio da opção que você vendeu. Se a ação cair, a perda é ilimitada. A assimetria é desfavorável, por isso não gosto da operação. Um abraço!

      • Bom, vendendo uma call OTM de um papel que vc tem em carteira , uma subida da ação inclui o prêmio recebido na venda da call acrescido da valorização do papel até o strike da opção vendida. Eu acho essa estratégia interessante nos papéis que fazem parte da carteira e não comprar o papel apenas para fazer a operação vendendo call. Eu particularmente vendo call no strike que acho que é o preço do meu target dentro da minha análise fundamentalista, Mas tudo bem, entendo a estratégia do fundo. Abraço,

      • Olá Luiz,
        Admiro o todo o trabalho da equipe do Versa. Eu estava a tempo esperando uma oportunidade de entrar nesse fundo e vi uma chance no FIT.
        Aproveito para parabenizá-los e estarei aqui para expor opinião e tirar dúvidas.
        Abraços
        OBS: estou levando amigos e família a aplicar parte da carteira neste fundo, pois acredito na gestão de vocês.

  2. Prezados,
    Ainda comprados em brf?

    Noticiário informa que já é dada como certa a proibição de vendas de frango à regiões da Europa.

    Brf diz que pode ter de demitir 15 mil pessoas.

    Abraços.

  3. com essa grande baixa da BRF (até ontem rsrs), vocês compraram mais acoes ou mantiveram a quantidade inicial. grande abraço

    • Boa tarde Jose. Não compramos mais ações pois esperamos resultados ruins pela frente. Pretendemos aumentar a posição assim que identificarmos que a maré ruim está passando. Um abraço,

        • Melhora a perspectiva de pacificação do conselho. O efeito no dia-dia dependerá se o novo conselho reformulará a estratégia da empresa ou manterá o Drummond (CEO) e a estratégia atual. O mais importante, hoje, é voltar a exportar frango. Um abraço,

    • Flávio, tudo bem? A maior perda do Versa em 1 dia foi -11,5% em 02/01/2015 e a maior alta foi +22,0% em 05/02/2016. Nessa época o Versa tinha mais do dobro da volatilidade atual. O Fundo oscilava que nem Bitcoin. Um abraço,

      • Luiz, qual foi o motivo das mudanças que tornaram o fundo menos volátil desde 2015? Em que aspectos o fundo é diferente nos últimos anos?

        • Ricardo, o que fez a volatilidade subir em Jan-16 foi a posição alavancada a termo, junto com a forte queda dos mercados naquele mês. A alavancagem a termo faz a posição crescer quando você incorre em uma perda, fazendo a volatilidade aumentar. Desde então vedamos a alavancagem a termo, e passamos a fazer a alavancagem através do long & short e das opções, que têm perda limitada. Outra mudança importante de 2016 para cá foi a redução na concentração da carteira. Inicialmente a posição em Locamérica ficava próxima ao limite da estratégia. Com o crescimento do fundo, para manter a estratégia líquida, aumentamos a diversificação da carteira. Um abraço,

  4. Ontem (18/04) o fundo voou. Podemos dizer que grande parte da performance de ontem foi oriundo da posição comprada BRFS3 ? ou não, todos os papeis também subiram bem ?

  5. Boa tarde Luiz

    Sou investidor do Versa e estou considerando novos aportes no Versa Fit, mas com sinceridade a única coisa q me deixa fora da minha zona de conforto e estar transferindo o dinheiro diretamente p conta da Órama. Sinceramente me sentiria muito mais confiante de estar fazendo estas transferencias diretamente para o fundo, tendo em vista os resultados financeiros da plataforma dos últimos anos, principalmente do ano passada e até agora não temos o resultado trimestral da mesma. Desculpe a ignorância, mas qual a segurança que tenho como investidor? Existe uma auditoria separada para o dinheiro de cada fundo ou mesmo o dinheiro está a salvo independente da situação da plataforma?

    Obrigado

    • Boa tarde Edward! O investimento através da Órama é feito na modalidade por-conta-e-ordem. Apesar do dinheiro passar pela conta da Órama, as aplicações são todas individualizadas e um código único é atribuído a cada cliente. Ainda, as aplicações dos clientes não respondem direta ou indiretamente à qualquer obrigação contraída pelo distribuidor, conforme rege a instrução CVM 555, que regula a distribuição Por-conta-e-ordem (capítulo 4, subseção 5, http://www.cvm.gov.br/export/sites/cvm/legislacao/instrucoes/anexos/500/inst555consolid.pdf). Portanto, o dinheiro está a salvo independentemente da situação da plataforma. De toda forma, a Órama tem grupos fortes por trás, como as organizações Globo, e os prejuízos iniciais são comuns em empresas de tecnologia, que despesam grandes somas no desenvolvimento dos sistemas. Por tudo isso, não precisa se preocupar. Um abraço,

  6. Luiz Alves, bom dia.

    Podemos dividir o Fundo Versa em ” ANTES ” e ” DEPOIS ” de JAN/2016 ? Que ajuste importante ocorreu na estratégia do fundo para , claramente , mudar o patamar de rentabilidade ? Vale destacar que o fundo consegue manter equilíbrio , em muitos casos, mesmo no cenário adverso pós jan/2016.

    • Bom dia André. Não podemos separar o fundo em antes e depois de jan/16 pois desde set/14, quando o GTI Equity Hedge virou o Versa Long Biased, o fundo já trabalhava com o mesmo nível de alavancagem. A única mudança a partir de jan/16 foi a regra que não permite alavancagem do fundo a termo (posição caixa máxima de 100%). Além disso, desde jan/16 a bolsa entrou em alta. Talvez seja a melhor explicação. Um abraço!

  7. Boa noite, fiquei curioso com o fechamento de sexta (20/04/18), publicado hoje (23/04/18).
    As principais ações subiram muito, mais de 3%, outras de menor peso também subiram, então esperava que o resultado do fundo seria maior hoje. Teve algum fator específico que se destacou para segurar a alta nesses 1% ou é realmente uma média geral, sem nenhum destaque relevante?

    • Boa noite Gabriel. Não teve nada específico. A carteira é grande e diversificada. Por isso, desaconselho fazer o tracking diário da cota. Um abraço,

  8. Bom dia, Luiz!
    Estou muito confiante, conclui a construção do meu fundo de emergência e optei pelo Versa Fit para entrada nos fundos de Investimentos com um maior risco! Pelas inúmeras pesquisas que fiz, a gestão de vocês chamou minha atenção.
    Desejo à todos um ótimo trabalho nesse ano e nos próximos.

    • Bom dia André. Ótima pergunta. O movimento da TR no curto prazo é ruim para o Versa, pois estamos comprados em Real contra o Dólar, e o aumento dos juros americanos faz o Dólar se apreciar contra o mundo inteiro, incluindo o Real. Por isso o Real se desvalorizou nos últimos dias. No longo prazo a depreciação do Real é boa para diversas empresas que estamos investidos, como Gerdau, Usiminas e Iochpe, mas esperamos que o Real volte a se apreciar em breve. Um abraço,

  9. Luiz, bom dia!

    Vejo com muita preocupação esse movimento do mercado, com bolsa estagnada e dólar subindo como foguete e pra completar, ano eleitoral, com eleições cada vez mais próximas. Pergunto, há o algo que a equipe do Versa possa fazer em curto prazo, caso essa alta do dólar se prolongue, rompendo a barreira dos R$ 4 e a bolsa caindo para menos de 70.000 pontos, para não só evitar um grande prejuízo como até se aproveitar desse movimento, ou se isso ocorrer, a perda seria inevitável?

    • Bom dia Mariel! Não acreditamos que esse cenário (dólar a 4 e bolsa caindo para 70k) seja o mais provável, e também não vemos lastro nos fundamentos para isso acontecer. Tudo mais constante, se isso acontecer, provavelmente incorreremos em uma perda e aproveitaremos para aumentar ainda mais a exposição à bolsa.

  10. Outra questão, você mencionou acima estarmos comprando em real contra dólar, não seria mais previsível o contrário? Visto que a tendência nesse ano eleitoral é de fortes altas na cotação do dólar?

  11. Olá luiz, na reportagem que vc cita, é verdade que mostra um superavit no mês de março mas um deficit de 3,22 bilhões de USD no ano. Não entendi porque estar comprado em real..
    Obrigado

    • Olá Fabio. Muitas variáveis influenciam o câmbio, incluindo as expectativas. Em 2017 o Brasil teve o menor deficit em transações correntes dos últimos 10 anos, e 2018 começou melhorando ainda mais. A balança comercial está nos maiores níveis da história e os investimentos estrangeiros diretos continuam vindo. São bons fundamentos para o Real, que vem performando mal pelos fatores internos e pela apreciação do dólar contra o mundo todo. Acreditamos que o Real se apreciará quando as coisas acalmarem. Um abraço,

    • Bom dia Fabio. Infelizmente não. Somos acionistas da Via Varejo e estamos otimistas com os processos que eles estão implementando, que aproximará a operação deles da Magazine Luiza. Um abraço,

  12. Olá tudo bem? Sobre Via Varejo, poderiam comentar por favor a respeito dessas quedas recentes? A algum motivo especial pra isso? muito obrigado!

  13. Arrisco dizer que o desempenho de hoje também será sofrível , haja visto queda de -8,11% de LCAM3 . Acho que a carteira short teve um papel importante no resultado de sexta , já que muitos destes papéis subiram muito .. Apenas NATU3 subiu quase 10% ( em janeiro/2018 era parte de nossa carteira short ) .Mas tudo dentro do que já sabemos acerca do perfil de risco do fundo.

Deixe uma resposta